Produção & Sustentabilidade

Quer saber como são feitos os nossos sapatos? Então está no sítio certo.

Passo 1 - O Corte

Fazer um sapato começa com o corte. O corte refere-se principalmente aos componentes da parte superior do sapato, incluindo os atacadores e tiras.

Na fábrica de calçados, existem estações de corte para corte manual, corte mecânico e corte a laser. O corte a laser é extremamente preciso e serve para cortar os materiais mais delicados.

Passo 2 - A Costura

A costura é o coração de uma fábrica de calçados e a parte mais complicada e trabalhosa do fabrico de calçados.
É aqui que a parte superior do sapato é costurada.
Existem muitas máquinas de costura na fábrica operadas por costureiras especializadas. As máquinas também são diferentes porque cada modelo de sapato pode ter diferentes tipos de costuras.
No final do processo de costura, é hora da primeira verificação de qualidade!

Passo 3 - A Montagem

É hora de montar todo o sapato! Uma parte essencial é a fôrma do sapato, em torno da qual todo o sapato é montado. É uma fôrma com a forma de um pé feita de plástico, madeira esculpida ou alumínio fundido.

Cada modelo de sapato tem a sua própria fôrma em todos os diferentes tamanhos. A fôrma do sapato é crucial porque determina o tamanho, a silhueta e o contorno do sapato. Diferentes modelos de calçados podem passar pela linha de montagem ao mesmo tempo. No final da montagem, cada sapato é limpo e submetido a outra verificação de qualidade antes de ser embalado na sua caixa. Posteriormente, todas as caixas de sapatos são devidamente acondicionadas em caixas de transporte. Porque em breve há uma longa jornada pela frente - para a Alemanha. É aqui que armazenamos todos os nossos sapatos, esperando que se apaixone por eles.

Tem questões sobre a gestão de resíduos, proteção ambiental ou condições de trabalho?

Os nossos fabricantes possuem um sistema de gestão de resíduos e trabalham de acordo com a chamada "política de zero impacto ambiental”. Graças a essas medidas, 95% de todos os resíduos da produção são reciclados. A pequena percentagem restante que não pode ser reciclada é eliminada profissionalmente.

Um exemplo maravilhoso de reciclagem é usar as sobras de alguns materiais como amortecimento entre a palmilha e a entressola e, novamente, entre a entressola e a sola. Isso amortece o sapato tão maravilhosamente e o torna tão confortável que você tem a sensação de caminhar sobre nuvens.

Práticas ESG da indústria calçadista brasileira

Alguns pontos-chave sobre as práticas ESG na indústria calçadista brasileira em 2022

Fonte: "Relatório Setorial da Indústria de Calçados 2022", von Abicalçados (em português)

Abicalçados é a Associação Brasileira das Indústrias de Calçados

87%

das empresas têm processos de eliminação de resíduos ambientalmente adequados, de forma completa ou parcial.

73%

das empresas executam o controlo das substâncias restritas.

60%

das empresas declaram realizar iniciativas de ecodesign nos seus produtos.

48%

das empresas consomem energia elétrica 100% oriunda de fontes renováveis, quer a partir do Ambiente de Contratação Livre (mercado livre) ou autogeração (fotovoltaica, eólica, etc).

61%

da produção está vinculada a empresas que publicam relatórios de sustentabilidade de acordo com padrões internacionais.

56%

da produção está vinculada a empresas que realizam inventário de emissão de gases.

Conheça as particularidades do Brasil

O Brasil possui a menor emissão de CO2 em relação ao PIB (Kg/USD PIB) em comparação com os maiores produtores de calçados do mundo.

A emissão de CO2 por USD de PIB é seis vezes inferior à emissão no Vietname, quatro vezes inferior à emissão na China e duas vezes inferior à emissão na Indonésia. (Banco Mundial).

Emissões de CO2

O Brasil possui a maior participação de fontes renováveis no consumo de energia em comparação com os maiores países produtores de calçados do mundo.

47,1% do consumo de energia elétrica no Brasil provém de fontes renováveis (eólica, hidroelétrica, solar, entre outras). Na China, o uso de energias renováveis é de apenas 13,1%. (Banco Mundial, 2018).

Consumo de energia de fontes renováveis